história
Clubes

SC Braga

2011/08/11 10:24
Texto por João Pedro Silveira
l0
E8
Sportinguistas e benfiquistas

O futebol chegou à «cidade dos arcebispos» por influência do que acontecia na cidade do Porto, onde a comunidade britânica há anos que jogava e divulgava o foot-ball association.

Aos poucos o futebol começou a ser disputado na cidade, sendo o Campo das Goladas o local mais frequente para os primeiros embates.

Na década de dez surgiram alguns clubes como o Liberdade FC, o Sport Clube de Braga e o Estrela Sport Clube, que foram alimentando o gosto crescente dos locais pelo jogo dos ingleses

Uma das primeiras equipas do Sporting Clube de Braga (1927)
Em 1919 um grupo de jovens locais, na sua larga maioria adeptos do Sporting Clube de Portugal, jogavam com um equipamento baseado nos leões de Lisboa: camisola dividida ao meio com verde e branco e calções pretos, o equipamento Stromp.
 
Dois anos depois foi este mesmo grupo de jovens que fundou o Sporting Clube de Braga, mas escolhendo como cor o vermelho e branco por influência dos adeptos benfiquistas da cidade.
 
Certo é que o clube actuaria com um equipamento à Benfica até que em 1945 a sua segunda equipa passou a equipar à Arsenal de Londres. Na época de 1946/47 o novo equipamento seria adoptado por todas as equipas do Sporting de Braga e o clube passou a ser conhecido até aos dias de hoje como o Arsenal do Minho.
 
O primeiro jogo dos braguistas foi contra a equipa do Dafundo no campo do antigo Colégio do Espírito Santo, que entretanto substituíra o de Goladas nas lides futebolísticas bracarenses.
 
Impulsionado pelo dinamismo dos seus fundadores o SC Braga conseguiu chamar a si os melhores executantes de outros clubes da cidade. Em curto tempo era já não só a melhor equipa da cidade como do distrito.
 
Com o Comendador Nogueira da Silva como mecenas e financiador do clube os bracarenses compraram o Campo do Raio e adquiriram alguns jogadores de nomeada, entre eles o benfiquista Alberto Augusto, que tinha sido o autor do primeiro golo de sempre da seleção nacional em partidas oficiais.
 
Em 1926, com a sua vedeta em grande destaque, o SC Braga ultrapassa pela primeira vez uma ronda do Campeonato de Portugal batendo os vizinhos minhotos do Vianense. 
 
Mas após alguns sucessos iniciais o entusiasmo foi-se esfumando e o financiador do clube resolveu «fechar a torneira»... Sem capacidade financeira o clube perdeu o seu campo e os seus melhores jogadores. 
 
As derrotas em duas edições seguidas do Campeonato de Portugal com o FC Porto e o Salgueiros, ambas por 13x0, atestam o declínio da  coletividade braguista.
 
O clube perde o domínio regional e vê o vizinho Vitória emergir como potência local. Nas edições seguintes do Campeonato de Portugal por problemas monetários o emblema arsenalista não consegue competir.
 
Um novo começo
 
Foi já dentro da década de 30 que uma nova direção, com mais capacidade de financiamento, conseguiu regularizar a situação com os credores, recuperando alguns antigos jogadores para a causa bracarense.
 
Disputando as partidas no novo Campo da Ponte o Sporting de Braga volta a militar nas provas nacionais na temporada de 1942/43, passando a disputar a II Divisão e a Taça de Portugal.
 
Em 1946/47 os bracarenses conseguiram conquistar o título de Campeão da II Divisão, ascendendo pela primeira vez na história ao primeiro escalão, onde se mantiveram durante nove épocas consecutivas, chegando a conseguir o quinto lugar em 1953/54 e 1954/55. Em 1955/56 sofrem a primeira despromoção, voltando a subir prontamente e conquistando um novo quinto lugar em 1957/58.
 
No início da década é inaugurado o novo estádio, o 28 de Maio - data fundadora do Estado Novo, que teve início precisamente em Braga com pronunciamento militar encabeçado pelo General Gomes da Costa e que terminou com a I República Portuguesa.
 
Após a «Revolução dos cravos», por razões óbvias, o Estádio perdeu o nome original e passou a denominar-se Estádio 1.º de Maio.
 
A final do povo
 
Os bracarenses recebem euforicamente a equipa que regressa de Lisboa depois da conquista da Taça de Portugal (1966)
Após um período de subidas e descidas, o Sp. de Braga chega à 1ª Divisão em 1964/65 atingindo um décimo lugar que repete em 1965/66.

Ano de glória do futebol nacional no mundial inglês, foi o ano que mudou a história do SC Braga. 

Depois de deixarem pelo caminho leões e águias, os arsenalistas chegaram à final da Taça pela primeira vez no seu historial. Pela frente estava o Vitória de Setúbal, que era o detentor do troféu.
 
Comandados por Manuel Palmeira e Rui Sim-Sim e com uma equipa onde se destacavam a dupla Adão e Perrichon, os bracarenses venceram com uma exibição soberba de Estevão que secou por completo o sadino Jaime Graça.
 
 Um golo do argentino Perrichon a 15 minutos do fim bastou para o Sporting de Braga vencer o primeiro grande troféu do seu palmarés.
 
A loucura começou em Lisboa e estendeu-se a Braga, onde os jogadores e comitiva foram recebidos como heróis. 
 
Contudo o SC Braga não conseguiria capitalizar o sucesso atingido na «final do povo»: nos anos seguintes não conseguiu voltar a vencer a Taça e no campeonato não atingiu nenhuma posição de destaque até que voltou a ser despromovido em 1970.
 
Regresso e permanência entre os grandes
 
Jogo contra o Benfica em meados dos anos quarenta
O novo SC Braga começa no «pós-25 de Abril» com o regresso à 1ª Divisão em 1976, iniciando um longo período entre os grandes que dura até aos dias de hoje, o que o torna, a seguir aos três grandes, no clube português que há mais anos se encontra no primeiro escalão.
 
Em 1977 volta à final da Taça para perder nas Antas com o FC Porto por 1x0. No ano seguinte o SC Braga consegue pela primeira vez ficar em quarto lugar no campeonato nacional, feito que repete em 1979, conseguindo chegar às meias-finais da Taça nas duas épocas.
 
Em 1981/82, após um sétimo lugar final no Campeonato, os arsenalistas chegam ao Jamor outra vez, perdendo por 1x4 com o Sporting
 
O quarto lugar voltou a ser atingido em 1984 antes do clube passar por um período menos bom, com algumas épocas em que lutou até à última jornada pela manutenção.
 
Em 1997 a repetição do quarto lugar e uma nova derrota na final da Taça contra o FC porto em 1998 parecia indiciar um novo período na história dos bracarenses, mas o SC Braga voltou a não conseguir nas épocas seguintes manter o nível, à exceção de 2000/01 em que voltou a ficar na quarta posição. 
 
Os guerreiros do Minho
 
António Salvador torna-se presidente dos arsenalistas em 2003 e o Sporting minhoto inicia o seu processo de modernização. Entre 2004 e 2011 apenas por uma vez o SC Braga não ficou nos cinco primeiros lugares (sétimo em 2008), qualificando-se todas as épocas para as competições europeias e conquistando inclusive a Taça Intertoto em 2008/09. Durante este período é também inaugurado o novo Estádio, a «Pedreira» de Braga, da autoria do arquiteto Souto Moura.
 
Com treinadores como Jesualdo Ferreira, Jorge Jesus e Domingos Paciência o clube dá um salto qualitativo e começa a morder os calcanhares dos três grandes. Na Europa atinge por duas vezes os oitavos de final da Taça UEFA após carreiras muito meritórias defrontando grandes clubes como Parma, Milão, Werder Bremen, Bayern München...
 
Em 2009/10 com Domingos Paciência ao leme o SC Braga consegue uma época brilhante liderando o campeonato durante quase dois terços da competição, discutindo taco-a-taco com o Benfica o título até à última jornada. O segundo lugar final, histórico, valeu a primeira qualificação de sempre para a milionária Liga dos Campeões.
 
À conquista da Europa
 
Adeptos do SC Braga sonhavam com a presença na final europeia em Dublin. Após a vitória sobre o Benfica por 1x0 no jogo da segunda mão da meia-final, o sonho concretizou-se
Após eliminar o Celtic, os arsenalistas deixaram os espanhóis do Sevilla pelo caminho para entrarem na fase de grupos. Apesar de uma humilhante derrota em Londres (6x0) os bracarenses redimem-se e conseguem vencer o Arsenal na «Pedreira». 
 
Eliminados da Champions com nove pontos - melhor estreia de um clube português na competição - os arsenalistas seguem para a Liga Europa, surpreendendo tudo e todos e eliminando Liverpool, Dynamo Kiev e Benfica para chegarem à grande final de Dublin, onde um golo do portista Falcao roubou o sonho europeu dos braguistas, na primeira final de sempre entre clubes portugueses numa competição europeia.
 
Internamente o Braga foi cimentando esse crescimento com nova presença na Champions e a conquista da Taça da Liga, batendo o FC Porto por 1x0 na final.
Na Taça de Portugal, em 2014/15 os braguistas chegaram novamente à final e estiveram com as duas mãos no «caneco», mas depois de estarem a vencer por 2x0 a dez minutos do fim, acabaram por permitir o empate do Sporting, acabando por perder a final no desempate por grandes penalidades. 
 
Em quase cem anos de história os «guerreiros do Minho» são um caso de sucesso e a prova que o trabalho árduo e a paixão clubista podem moldar um futuro promissor.
 
Dos pelados da «cidade dos arcebispos» nos anos vinte a uma final europeia em Dublin no século XXI, a viagem do SC Braga tem sido memorável.
 
A cidade agradece os resultados atingidos e retribui com amor ao clube. O número de sócios vai aumentado, os adeptos deslocam-se cada vez mais ao estádio. Neste início de milénio, pela primeira vez na sua história, o SC Braga é o maior clube na cidade que o viu nascer.
Comentários (7)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
ri
Primeiro Capítulo PATÉTICO!
2015-01-05 14h58m por ricjor46
O título do primeiro capítulo sobre o nascimento do clube é deveras patético.
Tendo o Benfica e o Sporting começado oficialmente a actividade entre 1904 e 1906, como é possível que em 1919 ou 1921 já tivessem adeptos em número suficiente para fundar um clube numa cidade situada a mais de 300 km de distância, numa altura em que não havia TV, rádio, internet, em que a difusão dos jornais era escassa porque a maioria da população era analfabeta, enfim. . .
Mas eu compreendo as...ler comentário completo »
su
Pedido de info
2013-07-02 15h03m por superbraga
Caro JulionPinto, é possível dizeres-me se o Perrichon tem facebook ? e se possível o email dele para eu lhe enviar umas fotos ? Obrigado
su
História do S. C. de Braga
2013-04-16 11h54m por superbraga
Esta não é a verdadeira História do S. C. de Braga (parte inicial)
Em primeiro lugar os fundadores não eram Sdeptos Sportinguistas, mas, optaram pelas cores iguais às do Sporting, o que é diferente.
Em segundo lugar a ideia das camisolas veremelhas e brancas foi atravez de alguem que viu o equipamento do Arsenal de Londres e não tem nada a ver com benfiquistas.
fe
sugestão
2013-01-27 14h49m por fernandes1011
No tema "Grandes Equipas" poderíamos colocar o Braga de Domingos Paciência, que apesar de não ter ganho nada, era fantástica
iv
SC Braga
2013-01-19 14h53m por ivison
Parabéns ao SC Braga, apesar de simpatizar mais com o Vitória e parabéns também ao autor do texto!!
Ju
Ah!AhAH!
2012-04-01 00h17m por JulionPinto
Mas ainda hoje o Perrichon segue a carreira do Braga e sabe todos os resultados do Braga bem como a classificação, pois apesar de já ter 70 anos, vive no México e u todos os Domingos lhe envio por correio electronico o que se passa com o Braga domingo a domingo. O filho mais velho do Perrichon nasceu no velho Hospital de S. Marcos e tem dupla Nacionalidade.
lu
campeao
2012-03-25 16h18m por luisftw
Este ano o braga e quem mereçe ser campeão e nao falta muito para conseguir
Tópicos Relacionados
Equipa