história
Grandes jogos

Austria x Alemanha: o Anschlussspiel

2012/11/19 17:09
Texto por João Pedro Silveira
l0
E0
A 12 de março de 1938, os primeiros soldados alemães atravessavam a fronteira que separava a Alemanha da Áustria. O III Reich de Hitler anexava a Áustria. Era o fim do pequena república alpina, outrora um império orgulhoso, que agora se via reduzida à mera condição de província da Alemanha, sob o nome de Ostmark, apagando assim séculos de história austríaca, e retornando ao tempo da Marcha Orientalis, uma província do Sacro Império Romano-Germânico, dependente do Ducado da Baviera, na aurora do segundo milénio da era cristã.

Era o Anschluss, a anexação pacífica da Áustria, e a sua integração política no III Reich. Como todos os símbolos nacionais austríacos, a seleção austríaca de futebol também deixou de existir. Mas para celebrar a união, realizou-se o Anschlussspiel, um jogo de amizade entre a Áustria e a Alemanha com o objetivo de celebrar o regresso da Áustria ao Reich. Seria então a última oportunidade de ver os jogadores austríacos jogarem pela sua pátria. A festa ficava marcada para Viena, no Prattter, a 3 de abril de 1938.
 
Orgulho nacional
 
Pelos seus 35 anos, pelo seu passado e peso no futebol austríaco, Sindelar, o capitão, e a grande estrela da equipa, era a voz de comando dos austríacos. Já sem Meisl, falecido no ano anterior, a Áustria conseguira a qualificação para o mundial de 1938, onde não participaria por culpa da anexação alemã. Este jogo surgia então como uma oportunidade histórica de provar ao mundo a força da Áustria, e nenhum dos jogadores quis deixar de vestir pela última vez a camisola do seu país, mesmo que muitos deles tenham depois vestido a camisola da seleção alemã nos anos que se seguiram.
 
A pedido de Sindelar, a Das Team equipou de vermelho e branco, as cores da bandeira nacional que acabara de desaparecer, ao invés da habitual camisola branca e calções pretos, também normalmente utilizados pela Alemanha. Essa novidade não só mostrava o orgulho austríaco pela bandeira nacional, marcando a diferença do equipamento alemão, assim como a cor vermelha era de certa forma uma pequena provocação «esquerdista» à Alemanha nazi. Os alemães, benevolentes, deixaram que por um dia a Áustria voltasse a ser conhecida por Áustria, e que a equipa jogasse com as cores da bandeira que já não existia. Os organizadores nazis, «pediram» em contrapartida, que o jogo terminasse num empate com poucos golos.
 
O jogo provocou grande expectativa em Viena, e o Prater encheu-se de entusiastas do futebol, além de apaixonados pelo wunderteam austríaco.  Mas grande parte das bancadas estavam cheias de membros do Partido Nazi, assim como oficiais das SS, exército alemão e elementos da Gestapo. O jogo era apresentado como um dérbi germânico e uma sagração da irmandade dos povos alemães, a grande festa, debaixo do lema nacional-socialista que ressoava por todo o Reich: ein Volk, ein Reich, ein Führer! (1)
 
in Volk, ein Reich, ein Führer
 
A Áustria passou o jogo todo a perder oportunidades de golo, como que deliberadamente tentando demonstrar a sua superioridade sobre o rival. De tal forma era vexante para os alemães o comportamento provocador de Sindelar, que alguns não conseguiam mostrar os seus sinais de desagrado, com a humilhação a que equipa alemã estava a ser sujeita no campo. A Alemanha controlava o jogo, mas não conseguia superar uma equipa onde alguns jogadores actuavam de forma que roçava a estupidez, tropeçando a tentar dominar a bola, fazendo passes para fora, oferecendo cantos desnecessariamente, escorregando sem bola, e rindo parvamente de tudo o que ia acontecendo.
 
O acordar austríaco
 
Ao intervalo, Hans von Tschammer und Osten, o novo responsável máximo pelo desporto na Ostmark, foi pedir calma aos austríacos, absolutamente desagradado com o que presenciava em campo. Nas cabinas, alguns austríacos, simpatizantes do regime nazi, censuravam Sindelar, mas este manteve a mesma postura no regresso dos balneários. Judeu, socialista, provocador nato, Sindelar não podia perder a oportunidade de mostrar aos seus opressores, o quanto desprezava o regime de Hitler e a anexação da sua amada Áustria. O jogo do Prater era o palco perfeito para a «sua» vingança.
 
Os austríacos continuaram a jogar um futebol "aparvalhado", tanto perdendo oportunidades de golo claras de forma propositada, como atrapalhando-se como amadores num simples domínio de bola. O zero-a-zero manteve-se até aos últimos vinte minutos, até que num piscar de olhos, os austríacos começaram a correr e a trocar a bola com precisão, tentando chegar mesmo ao golo, para espanto dos alemães que ficaram sem reação...
 
O primeiro golo foi festejado exuberantemente por Sindelar, provocando a tribuna onde se encontravam os principais dignitários alemães, que engoliam em seco, impotentes com a situação. Pouco depois, um livre de 45 metros, apontado por Karl Sesta, gelou a bancada germânica, mas fez disparar a euforia nas bancadas do Prater. O árbitro apontava para o fim da partida e multidão começava a gritar em uníssono: «Österreich! Österreich!». (2) 
 
Sindelar dirigiu-se para a tribuna, onde com um riso de desdém, valsou em frente dos alemães, que rapidamente saíram do estádio, provocando uma clareira na tribuna. O resultado final foi uma pequena humilhação para os nazis, e Sindelar, ao contrário de muitos colegas, recusou-se a vestir a camisola da Alemanha, apesar das diversas convocatórias do treinador alemão Sepp Herberger. Coincidência, ou não, foi encontrado morto em casa, dez meses depois do encontro...
 
------------------------------------------------------
(1) - «Um Povo, um Império, um Líder!»
(2) - «Áustria! Áustria!»
 

Em 1938 a Alemanha de Hitler anexou a Áustria ao III Reich. Era o Anschluss (anexação), integração política da Áustria no Império alemão, que reduziu o país à mera condição de província. A seleção austríaca deixou de existir, de facto, mas realizou-se ainda o Anschlussspiel, um jogo entre a Áustria e a Alemanha com o objetivo de celebrar o regresso da Áustria ao Reich. Era a última vez que os jogadores austríacos jogavam pela sua pátria.
 
A pedido de Sindelar, os austríacos equiparam de vermelho e branco, as cores da bandeira nacional que acabara de desaparecer, ao invés da habitual camisola branca e calções pretos, também normalmente utilizados pela Alemanha. O jogo disputou-se no Pratter em Viena e as bancadas estavam cheias de políticos do Partido Nazi e oficiais do exército alemão.
 
     A pedido de Sindelar, os austríacos equiparam de vermelho e branco, as cores da bandeira nacional que acabara de desaparecer, ao invés da habitual camisola branca e calções pretos, também normalmente utilizados pela Alemanha
A Áustria passou o jogo todo a perder oportunidades de golo, como que deliberadamente tentando demonstrar a sua superioridade sobre o rival. 
O zero-a-zero manteve-se até aos últimos vinte minutos, quando com muita facilidade os austríacos apontaram dois golos que foram exacerbadamente festejados por Sindelar em frente das altas autoridades nazis.
 
O resultado final foi uma pequena humilhação para os nazis, e Sindelar, ao contrário de muitos colegas, recusou-se a vestir a camisola da Alemanha, apesar das diversas convocatórias do treinador alemão Sepp Herberger.
Capítulos
Comentários (0)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
jogos históricos
U Domingo, 03 Abril 1938 - 00:00
Ernst-Happel-Stadion
2-0
Matthias Sindelar 200'
Karl Sesta 200'
Tópicos Relacionados
Estádio
Ernst-Happel-Stadion
Lotação50865
Medidas105x68
Inauguração1931