Na Minha Secreta Área
Luís Rocha Rodrigues
2017/02/13 14:17
E4
O Na Minha Secreta Área é um espaço de opinião do jornalista Luís Rocha Rodrigues. Nas gavetas, há sempre um bloco de notas e uma caneta para se anotar o futebol.

Podia estar a referir-me ao facto de ser um estádio pequeno, funcional, acolhedor e perfeitamente capacitado para o número de espectadores que habitualmente comparece nos jogos da Liga NOS (há exceções, claro).

Podia também estar a referir-me ao que rodeia o Comendador Joaquim de Almeida Freitas, com um ambiente de futebol mais à antiga, com alguns tasquinhos onde se comem boas bifanas e com uma humidade caracterizadora do típico futebol de inverno.

Mas não. Refiro-me ao posicionamento que nós, jornalistas, temos. Na bancada atrás dos bancos, com apenas duas filas de cadeiras entre o nosso lugar e o relvado, é possível ver e apreciar bem mais perto o comportamento dos treinadores, bem como beber com bastante proximidade os seus atos, as suas falas. No fundo, a sua forma de pensar e de ver o jogo.

E quando um dos intervenientes é Jorge Jesus, melhor ainda. Que espetáculo voltou a ser o técnico do Sporting no banco! Ou melhor, na relva, junto à linha, braços em movimento constante, gritos, berros, desagrado, chuva à superfície, mãos no cabelo, pastilha entre os dentes. É, sem dúvida, um regalo poder ver.

Primeira parte mais controlada, curiosamente nos piores momentos da sua equipa. Uma correção a Bruno César, duas a Rúben Semedo, muita meditação. Tudo mudou na segunda parte: a atitude do Sporting e a energia do técnico.

«Ó Danieeeeel! Aqui, car***!». Lá vinha Podence, meio sorridente, a pedir calma ao treinador. Um segredo ao ouvido, o regresso ao jogo e, um minuto depois, outra vez o mesmo berro. O jovem avançado sorria, como a bancada. Mesmo que ainda se ouvisse um «ao Bas Dost não falas tu assim», ou um «deixa o miúdo jogar, aqui ninguém lhe f**ia a cabeça assim».

O terceiro, de Adrien, fez o banco saltar de alegria. Nada contagiado, Jesus virou-se de costas, chamou Bruno César e tentou dar-lhe duas ou três dicas - curiosa a cara de dúvida com que ficou o brasileiro. Era um presságio para o que vinha a seguir: bola nas costas de Schelotto e só o ferro negou o golo a Dramé. Fúria total! Jesus andava de um lado para o outro à espera que os jogadores saíssem da frente para, lá ao fundo, poder fazer o contacto visual com o lateral. «Então?», perguntavam os ombros de Jesus e a cara de desagrado, por entre os castigos constantes à pastilha. «Nas costas, car****!», seguido de um gesto para a cabeça e de outro para a reprovação. Schelotto, irado, mandou o treinador para o outro lado, o técnico barafustou, o jogador repetiu e o jogo seguiu. Tudo normal. 

Esta é a essência do jogo. Senti-me em Stamford Bridge, onde o posicionamento também é atrás dos bancos, e soube bem. Porque o jornalista também precisa de relva.



Comentários (4)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
Motivo:
ry
Estádios que podiam/deviam ser melhores
2017-02-13 19h03m por rymer6666
Rio Ave, Vizela, Freamunde. . .
ry
Estádios ideais para clubes "médios"
2017-02-13 19h01m por rymer6666
Estádio do Moreirense, Gil Vicente, Marítimo, Feirense, Paços, Tondela.
MC
Bom artigo
2017-02-13 16h10m por MCastanho
Bom artigo. Parabéns.
va
Mais estádios como o do Moreirense!
2017-02-13 14h56m por valter_reis_99
Siga!! Bom artigo
OPINIÕES DO MESMO AUTOR
O empate do Benfica em Paços de Ferreira tem assumido, no seio dos adeptos encarnados, contornos de drama. Ora é pela qualidade futebolística da equipa, ora é pela ...
19-03-2017 12:54E8
É uma pergunta que não deveria merecer contestação na resposta. Mas que poderá, feita de outra forma, suscitar respostas curiosas. Se eu perguntar a um adepto ...
09-03-2017 19:20E11
Quero desde já deixar claro que esta afirmação não é uma crítica explícita ao treinador ou algo do género. Até porque este artigo ...
23-02-2017 14:51E10